Translator

sexta-feira, maio 26, 2006

Quanto pesam os encargos sociais (final)

O empregado do setor privado recebe líquido em média 80% do seu salário bruto. O mesmo acontece com o empregado do setor público.A média salarial dos dois setores é : setor privado- 827 reais mensais; setor público – 1283 reais.
Como ficam as diferenças? Por um salário médio 55% maior, o funcionário público trabalha 47% menos.
O Setor público paga 14 salários (incluindo gratificações e adicionais por tempo de serviço) aos seus funcionários, recolhe encargos equivalentes a 4,2 salários e eles trabalham efetivamente menos de cinco meses por ano.
Resumindo: o trabalhador do setor privado ganha, considerando as benesses trabalhistas, o equivalente a R$ 1.245,65 por mês e o trabalhador do setor público ganha o equivalente a R$3.904,78 – mais que 3 vezes. Mas no caso do funcionalismo público o “buraco previdenciário” é bem mais embaixo. No ano passado, a Previdência Social pagou R$ 88 bilhões a 19 milhões de beneficiários do INSS e arrecadou R$ 71 bilhões das contribuições de empresas e trabalhadores da iniciativa privada. No serviço público, foram pagos R$ 61 bilhões a 3,2 milhões de servidores inativos e pensionistas e arrecadou R$ 22 bilhões. Assim, o governo complementou a diferença de R$ 39 bilhões para o serviço público e de R$ 17 bilhões para a iniciativa privada. Ou seja, pensionistas e aposentados do setor privado receberam em média R$ 4.700,00 em pensões, aposentadorias, assistência médica e social, e pensionistas e trabalhadores do setor público receberam em média R$ 19.500,00 em pensões, aposentadorias, assistência médica e social – 4 vezes mais.
Resumo final: Este é o tamanho da desigualdade no Brasil. O trabalhador privado tem uma renda 3 vezes inferior e benefícios sociais 4 vezes inferiores aos trabalhadores públicos. Está sujeito aos humores da economia, às incompetências governamentais, ao arrocho fiscal, ao desemprego, ao sub-emprego, à informalidade, é perseguido por isto pois sobre os informais se abate a suspeita da sonegação. O empregador privado médio é rotulado de elite, de burguês, de explorador. Também está sujeito aos humores da economia, às incompetências governamentais, ao arrocho fiscal, às recessões não provocadas por ele, à falência. Tudo isto por ter concordado em correr riscos, trabalhar muitas horas a mais que seus empregados para “pedalar a bicicleta” de seu negócio e produzir para si e para o país.

E depois não me venham dizer que não é pra se indignar com os mensalões, com a esmola do Bolsa-Família que repito, NÃO ajuda nada no combate à desigualdade, com as mentiras e com a cara de pau deslavada daqueles que hoje estão no poder, comandados pelo Apedeuta-mor.

quinta-feira, maio 25, 2006

Quanto pesam os encargos sociais(II)

Continuando o assunto...

Ora, a empresa num ano, paga 13,3 salários ao trabalhador, recolhe encargos equivalentes a 12,6 salários, e o trabalhador trabalha efetivamente 8,83 meses.O trabalhador homem ainda tem direito a ficar uma semana remunerada sem trabalhar, caso ganhe um filho. O trabalhador caso seja demitido depois dos 90 dias de experiência, ganha um salário integral chamado de aviso-prévio e tem o direito de trabalhar somente 54% do tempo neste mês. E ainda recebe do empregador 40% sobre o valor total do FGTS a título de multa, por ter sido demitido “injustificadamente” mesmo que ele seja um incompetente. Porque demissão por justa causa só ocorre em faltas consideradas graves e assim mesmo sujeita à interpretação da Justiça do Trabalho. Sem contar o descanso semanal remunerado que corresponde a 52 dias por ano.Em termos de índice de produtividade, isto significa que de um total de 2.920 horas trabalháveis num ano ( 8 horas por dia, 365 dias por ano), totalmente pagas pelo empregador ao empregado, este tem o direito legal de trabalhar efetivamente 2120 hs( 265 dias) e recebe diretamente por isso o equivalente a 2350 horas(294 dias).Isto dá uma produtividade de 65%. Em vários países, principalmente em países desenvolvidos e nos países emergentes como os “tigres asiáticos” e a China, esta produtividade chega a 86%. Com encargos sociais bem menores.

São números, que refletem o porque hoje temos tantos sub-empregados e trabalhadores informais. O próprio IBGE mostra esta proporção assustadora quando indica que dos 19 milhões de pessoas ocupadas, somente 9,5 milhões têm carteira assinada.

Numa situação recessiva, ou de baixa atividade econômica, onde o crescimento da economia é inferior ao crescimento da população em idade ativa (estima-se que a cada ano, entrem 2,0 milhões de pessoas nesta faixa) a concorrência na atividade privada se acirra, os preços caem por falta de demanda, a oferta de empregos diminui em termos absolutos e relativos. O empresário que tem seus preços aviltados pelo aumento de concorrência, para se manter competitivo tem duas alternativas no caso da empregabilidade. Demite e aumenta a jornada de trabalho para os empregados remanescentes, terceiriza a produção e joga os encargos para os terceirizados ou faz um acordo informal com os empregados e os transforma em informais. A terceirização (chamada também de “outsourcing”) tem sido a via mais comum desde 1987.

A produtividade brasileira é na vida real maior que os 65% justamente por causa da informalidade e da terceirização, não captadas pelas estatísticas.A arrecadação do sistema de previdência e seguridade social é menor proporcionalmente a esta produtividade, devido à informalidade que hoje beira 60% da população ocupada. Daí, o déficit da Previdência Social no setor privado. Poucos pagam muito pelos muitos que pagam pouco ou nada.

No setor público, o problema é outro. Os encargos sociais são menores, o turn-over é menor, quase nulo. União, Estados e Municípios recolhem basicamente as contribuições à Previdência Pública.Lá não existe o Fundo de Garantia porque e trabalhador público é estável(não sujeito à demissão injustificada).

O funcionalismo público cujo contingente atual é estimado em 5,5 milhões de pessoas(União, Estados e Municípios) tem uma produtividade inferior ao trabalhador privado pois, contando as férias , as licenças-prêmio
, os pontos facultativos e a jornada diária de trabalho inferior , greves intermináveis, sua produtividade é de apenas 36% . Trabalha o equivalente a 140 dias por ano ou 1120 horas.

Rir continua sendo o melhor remédio

Antes de continuar a postar os meus textos sobre encargos sociais, insiro este diálogo instrutivo e muito gozado que recebi hoje para que meus 3 leitores se divirtam um pouco.


ENTREVISTA DE LUCIANA GIMENEZ COM O LULA

Luciana Gimenez - Presidente, como você perdeu o dedo?
Lula - Foi numa prensa mecânica.
LG - O que é isso, prensa mecânica?
Lula - É uma máquina assim que serve pra prensar e que funciona de maneira mecânica.
LG - Ah, tá. Agora entendi. E doeu?
Lula - Menina, eu tava com tanta cachaça na cabeça nesse dia que eu nem senti nada. Só quando eu olhei pra minha mão esquerda e vi que só tinha oito dedos que eu pensei: Ué, cadê os outros dois?
LG - E você ficou muito abalado?
Lula - Eu tive que repensar minha vida. Não dava mais pra conciliar o trabalho com o goró. Aí eu larguei o trabalho.
LG - Foi aí que você decidiu virar sindicalista?
Lula - Foi. Eu tava um dia jogando sinuca e o Biriba, um compadre nosso, falou que polícia tava metendo tudo que é sindicalista em cana. Como cana é comigo mesmo eu fui lá.
LG - E como é assim sair do nada e de repente virar ídolo nacional?
Lula - Olha, Luciana, eu acho que nós dois temos experiências parecidas.
Eu comecei montando num jegue, e você começou montando num Jagger.
LG - E como é ser presidente? É legal?
Lula - Deixa eu dizer uma coisa pra você. Tem hora que eu fico sozinho lá no meu gabinete, olho praquelas parede, olho o jardim lá fora e penso: Rapaz, esqueci de comprar os produto de limpeza que a Marisa me pediu.
LG - Pra terminar eu queria que você dissesse uma palavra de esperança pra quem tá assistindo a gente.
Lula - Vou dizer mais de uma. Eu estou convencido de que esse país tem jeito. A gente pode tá jogando futebol e de repente toma um gol, toma dois, toma cinco, tem dois jogador expulso, o goleiro é míope, o centroavante é perneta, o juiz é ladrão, o gandula demora pra trazer a bola, e a gente toma mais dois gol e mesmo assim a esperança de que tudo vai dar certo continua lá.
LG - Nossa, que profundo.
Lula - Eu acredito, Luciana. Eu estou convicto de que aconteça o que acontecer o amanhã sempre vai chegar.
LG - Bom, muitíssimo obrigada por ter vindo aqui. É o máximo falar com o homem que governa o país.
Lula - Não tem de quê. Eu é que gostei muito de fazer o programa com você.
LG - Opa, peraí. Eu não faço programa.
Lula - Então tamo empatado. Eu também não governo o país.

Quanto pesam os encargos sociais no Brasil?

Eu queria a partir deste post abrir um debate sobre a carga tributária brasileira, certamente a maior do mundo em termos reais e queria começar pelos encargos sociais que são um entrave ao crescimento do emprego formal e consequentemente ao crescimento do país. O governo atual e mesmo os governos anteriores desde a promulgação da Constituição de 1988 não se dispuseram a combater este mal porque é eleitoralmente incorreto na visão dos nosso "estadistas" de araque.Assim, vamos lá.
O texto abaixo é meu e foi publicado em agosto de 2004 no meu antigo blog do UOL mas é válido até hoje, mesmo porque o governo do Apedeuta não se dignou a tentar resolver o problema. Preferiu dar esmola no Bolsa-Família em vez de dar condições reais de geração de emprego e renda aos menos desfavorecidos.

Encargos sociais pagos hoje pelos empregadores aos trabalhadores diaristas:131,19%-para cada real de salário, paga-se 1,32 reais de encargos à Previdência.
Encargos sociais pagos hoje pelos empresários aos trabalhadores mensalistas: 82,24%-para cada real de salário, paga-se 82 centavos de encargos à Previdência.

(fontes: DIEESE/IBGE/SINDUSCON/FIESP)
Existem duas principais interpretações sobre os valores acima.
A primeira, defendida especialmente pelo professor José Pastore, é amplamente aceita e adotada pelos empresários. A partir de um conceito restrito de salário, conclui que os encargos sociais no Brasil chegam a atingir 100% do salário. A segunda interpretação, adotada pelo DIEESE e outros centros de pesquisa, conclui que o peso dos encargos sociais é de 53,9% sobre os salários.
Esta controvérsia vem da eterna disputa entre Capital e Trabalho. A Lei obriga o empregador a recolher aos cofres públicos uma parte dos itens acima e outra parte é negociável entre empregador e empregado ou particularmente, ou através de convenções trabalhistas.

Os dados acima, mostram os dois limites de encargos sociais sobre o empregador. O valor mais alto refere-se às empresas que atuam em segmentos com mão de obra menos qualificada como construção civil, indústria,comércio e serviços que dependem de forte contingente de mão-de-obra como a indústria têxtil, comércio varejista e que contratam fortemente diaristas e têm alto coeficiente de “turn-over” (rotatividade de mão de obra).O valor menor refere-se às empresas que atuam em segmentos mais qualificados como o setor de serviços bancários, engenharia e arquitetura, comércio atacadista, indústrias que utilizam maior teor de tecnologia ou onde os trabalhadores são fortemente sindicalizados e que contratam basicamente mensalistas com menor índice de “turn-over”.

Se tirarmos os itens negociáveis das tabelas (vale transporte, vale refeição ou cesta básica), veremos que os números caem para, respectivamente, 124,19% e 75,24%. Aplicando uma proporção obtida de dados do IBGE (população em idade ativa-37,5 milhões) sobre a distribuição setorial da PEA (População Economicamente Ativa-21,5 milhões) no contingente atual de pessoas ocupadas (19,0 milhões) com emprego com carteira assinada(7,5 milhões), teríamos cerca de 60% de mensalistas e 40% de diaristas. Nestas condições, o valor ponderado dos encargos sociais é de 94,8%. Assim, o custo do emprego (salários + encargos) seria de 194,8%. Para cada 100 reais de salário a empresa paga mais 94 reais.

O DIEESE contesta estes números dizendo que é a visão do empresariado e que na realidade, o custo do emprego não é 194,8% e sim, um valor 21% menor(154%), porque naquele número estariam encargos sociais e obrigações trabalhistas e obrigação trabalhista não é considerada pelo DIEESE como um custo. É uma questão de semântica, porque a parte referente às obrigações trabalhistas, a parte que não vai para o bolso do trabalhador de forma direta sai do caixa da empresa e não volta, portanto é custo.
Tais obrigações são as contribuições às entidades de formação profissional como SESI ,SESC, SENAI , contribuição ao INCRA e ao SEBRAE , e as chamadas conquistas trabalhistas da CLT como descanso semanal remunerado, férias indenizadas com acréscimo de 30% no salário, auxílio-doença, auxílio paternidade , multa sobre dispensa injustificada de 40% do montante do FGTS depositado.

(continuo no próximo post)

domingo, maio 21, 2006

Apesar do PT


Chico Buarque de Hollanda, que respeito e admiro pela sua obra músico-literária e pelo seu passado de lutas contra a ditadura, mas que comete seus pecadilhos tal como ser um Lulista contumaz, compôs esta música nos anos 70, protestando contra a ditadura militar.O mundo dá voltas e sua letra de “Apesar de você” serve direitinho para os dias de hoje. Com o perdão do autor, solicitado antecipadamente, faço algumas adaptações e publico aqui uma versão adequada ao momento político brasileiro.

Lula, você é quem manda/Não quer outro lado/Não tem discussão
O brasileiro hoje anda/Falando de lado/E olhando pro chão, viu
Você deturpou esse Estado/E tá querendo inventar/De novo a escuridão
Você que incorreu no pecado/Igualou-se aos demais/No mensalão.

Apesar do PT/Em outubro eu vou ver outro dia
Eu pergunto a você onde vai se esconder da enorme euforia
Como vai proibir quando a CPI insistir em cantar
Água nova brotando/E a gente xingando/Sem parar

Quando chegar o momento/Todo meu desalento/Vou cobrar com juros, juro
Na eleição de outubro/Prometo eu derrubo/O seu samba do escuro
Você que inventou a mentira, ora, tenha a fineza de reconhecer
Você vai pagar e é dobrado/Cada real roubado/Nesse meu sofrer
Apesar do PT/Em outubro eu vou ver outro dia
Inda pago pra ver/O PT fenecer/Qual você não queria
Você vai se amargar/Vendo o dia raiar/Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir/Que esse dia há de vir/Antes do que você pensa
Apesar do PT/Em outubro eu vou ver outro dia
Você vai ter que ver/O Brasil reviver/E esbanjar poesia
Como vai se explicar/Vendo o céu clarear/De repente, impunemente
Como vai abafar/Nosso coro a cantar/Na sua frente
Apesar do PT/Em outubro eu vou ver outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal

sexta-feira, maio 19, 2006

Minha simpatia

Após os últimos acontecimentos que chamaram a atenção do país, da pretensa guerrilha urbana que apavorou os cidadãos de bem e que resultou em declarações imbecis de secretários e responsáveis pela segurança pública, omissões,incompetências generalizadas, bravatas dos políticos da situação e da oposição, uma notícia me alegrou.

Finalmente, um brasileiro de bem pode aceitar ser o candidato ideal. É do PMDB, mas eu o perdôo por isto, porque faz parte da única facção realmente boa deste partido deletério.

Chama-se Pedro Simon. Sério, honesto, competente, foi um bom governador de seu estado, Senador de boa cepa.

Já que o chuchu está murchando, Pedro Simon tem minha simpatia. Ele pode ser o único que pode derrotar o Apedeuta e sua gang.

Que acham?

domingo, maio 14, 2006

Reflexo da impunidade + Diversos


Os tristes e aterrorizantes acontecimentos de ontem e hoje em São Paulo são um reflexo da impunidade que grassa no país. Esta onda de violência onde os bandidos afrontam as autoridades constituídas sem medo de serem felizes, teve seu embrião há muitos anos atrás, quando a igreja progressista, essa mesma que apoiou o PT desde sempre, apoiada pelo atual ministro da Justiça, defendia os direitos humanos para os bandidos. Era uma questão de tempo para que a sensação de impunidade se transformasse na bola de neve da violência.

O atual governo tomou posse prometendo minimizar o banditismo e a violência, criando até uma Secretaria Especial de Segurança Pública. Até hoje, nada fizeram de útil. Por outro lado, o episódio do mensalão,os casos graves comprovados de corrupção na esfera federal, aliados à não punição dos participantes e dos parlamentares envolvidos nestes casos só reforçam a sensação de impunidade na sociedade e nos bandidos em especial. Afinal, se o Luizinho pegou 20 mil, o João Paulo, 50 mil, o outro ladrão petista 400 mil,o Mentor 200 mil e não foram nem cassados, na cabeça do pilantra comum ele pode fazer o que quiser, inclusive atacar a polícia.Não será punido. E não é!

O exemplo sempre vem de cima, como dizia meu avô. Se lá em Brasília, no país da fantasia as pessoas roubam, mentem,são omissas e nada acontece, que dirá aqui embaixo?

Enquanto isso, o Lula prefere processar a Veja por uma reportagem que ele nem leu. Quero ver o dia em que um bandido desses jogar uma bomba no apartamento dele em São Bernardo. Até parece mórbido mas torço por isto.


*****************************
Já falei que o PMDB é o cancro político brasileiro. Podem ver posts meus anteriores sobre isto(lá atrás). Metade apoia o governo. A outra metade é contra. Uma metade foi co-responsável pela eleição do apedeuta a outra metade foi omissa. Isso vai continuar. Vejam bem:
Não querem candidato: Sarney, Renan, Jader Barbalho, Suassuna(argh!)
Querem candidato: Garotinho, Itamar, Quércia (argh! de novo)
Em suma, o PMDB pode ser chamado de partido MODESS. Está sempre perto da festa. Mesmo nas piores horas.
******************************
Não sei se voces notaram a faceta "camaleão" da família Sarney. O patriarca é PMDB e apoia o Apedeuta. A filha é PFL, da oposiçao(pero no mucho) . O filho é do PV( o partido do Gabeira).Que capacidade de mimetismo tem essa família né?
Coitados dos maranhenses.

sábado, maio 13, 2006

Contra propaganda do PT(2)


O PT NASCEU PARA MUDAR O PAÍS.
AS MUDANÇAS ESTÃO AÍ.


MAIS ROUBALHEIRAS, MAIS MENTIRAS, MAIS DESGOVERNO...

terça-feira, maio 09, 2006

Tunico em Aracaju.


Hoje fui a Maceió, a trabalho.
São 280 km de Aracaju. Não cheguei.
Paramos no meio do caminho. O MST havia bloqueado a ponte sobre o Velho Chico em Propriá, com suas manifestações imbecis, incitadas pelo imbecil-gaúcho-mor e acobertadas pelo Supremo Apedeuta, causando um enorme transtorno aos camioneiros, aos turistas, aos verdadeiros trabalhadores, às pessoas que acreditam que a democracia garante a todos o direito de ir e vir.
Só vi gente xingando o MST e o Supremo Apedeuta por tabela. Tentamos voltear o problema indo pela estrada de Penedo, pela balsa. Uma fila enorme.Três horas de espera. Gente xingando o MST e o Supremo Apedeuta de novo.
Como havíamos programado ir, trabalhar e voltar no mesmo dia,decidimos voltar. Não havia nada mais a fazer.
Doze executivos de multinacional, trabalhadores de classe média, se propondo a realizar um trabalho de alto investimento, que gerará no mínimo 400 empregos diretos e 1000 indiretos, foram obrigados a perder seu dia de trabalho honesto, por causa de um bando de desocupados, que decidiram protestar interrompendo a maior ligação entre Nordeste e Sul do país, a BR-101, alimentados pelo dinheiro público(o meu, o seu,o nosso rico dinheirinho).

Esse é o Brasil do PT.
Vejam a foto bonita do Velho Chico. O Brasil é lindo, todos voces sabem. O PT do Lula quer estragar este país. Não podemos deixar.

sábado, maio 06, 2006

O primeiro passarinho abriu o bico

Silvio Pereira, ex-secretário geral do PT teve uma crise de consciência e abriu uma parte do bico. Mostrou quem é a quadrilha. Todos aqueles que a gente já sabe. Se apertarem, entrega tudo.
Marcos Valério, fala!!! A sociedade vai te proteger. Você não vai acabar como o PC.

O Brasil não pode ter mais estes ladrões por mais 4 anos.

quarta-feira, maio 03, 2006

Sabem o que eu deduzo do imbróglio Evo Morales x Petrobrás?

Que o custo de exploração, extração, refino e distribuição do petróleo e de seus derivados é muito inferior ao preço de cotação do mercado internacional. Sempre foi assim aqui no Brasil e no resto do mundo.
Mas a Petrobrás vende seus produtos no Brasil a preços de mercado internacional alegando que precisa de caixa para investimentos em prospecção e para aumentar suas reservas e capacidade produtiva. O governo pega carona nestes preços, com uma taxação absurda de impostos, contribuições e taxas que são de 50%. Daí apesar do preço final ao consumidor brasileiro ser um dos maiores do mundo, a Petrobrás ainda apresenta lucros altíssimos(3,5 bilhões de dólares em 2004).

Pelo visto, os impostos na Bolívia que eram de 18%, passaram para 50% no governo anterior daquele país e hoje são de 82% com a canetada do tal do Morales,
não estão incomodando tanto o Grande Apedeuta e os dirigentes da nossa estatal-mor.





Tanto é que o presidente barbudinho da Petrobrás (meu Deus, estou com saco cheio de ver tanto barbudinho cagando regra e falando besteira na tv e na mídia) não se importou tanto com a rasteira do Índio-Presidente do país vizinho.

Mas é claro!
Quando os impostos eram 18%, o lucro da Petrobrás e das outras petroleiras internacionais no caso do gás boliviano eram galáticos. Com os 50% de impostos, estes lucros se reduziram mas continuaram astronômicos. Talvez com os 82% de impostos, os lucros finalmente ficarão a níveis andinos de 30 a 40%.

Quero exemplificar meu pensamento.
Vamos pegar o caso da gasolina no Brasil. A gente paga R$ 2,60 por litro em média.
Deste total, metade é imposto, vai pro mensalão do Lula.
Sobram R$ 1,30 que é o preço das distribuidoras,dos postos, com lucro e tudo. Digamos que o lucro da distribuição seja uns 10%, ou R$ 0,13. Sobram R$ 1,17 por litro que seria o custo da Petrobrás para prospectar, explorar, refinar e distribuir gasolina. A gasolina representa 30% de um barril de petróleo ou seja 48 litros. Então ela fatura só com a gasolina, R$ 56,00 por barril de petróleo extraído. Digamos que com os outros 2/3 do barril(111 litros) ela fature mais 1,5 vezes o que fatura com a gasolina. No total, de um barril extraído ou comprado, ela faturaria com derivados R$ 140,00 ou 65 dólares, sem impostos. Segundo ouvi aqui e ali, de amigos ligados à Petrobrás, ela paga na média entre o petróleo extraído e comprado lá fora(custo técnico), 24 dólares. Ou seja, o lucro limpo é de 41 dólares por barril(64%)!!!
Agora, voltemos para o gás natural. É um produto de baixíssimo custo de extração por ser sub-produto do processo de extração de petróleo(tanto que até poucos anos atrás o gás era queimado simplesmente nos campos de exploração). Bem menor que o petróleo. Dizem que comparado ao petróleo, o custo de extração, processamento, distribuição não passa de 4 dólares por barril de petróleo “equivalente” e o gás é vendido pela Petrobrás,sem impostos, a 50 centavos por m3 que equivale a meio litro de gasolina, na prática. Assim um “barril” de gás boliviano rende 23 reais e custa 8! Com o aumento dos impostos bolivianos, este custo vai para 13 dólares.

Entendem o sossego do barbudinho Gabrielli?

segunda-feira, maio 01, 2006

O meu julgamento


Hoje no dia do Trabalho, o Grande Apedeuta cometeu ato falho ao declarar sem querer na missa que é candidato à reeleição(como se todos nós não soubéssemos disso) quando pediu que tanto ele quantos seus adversários sejam julgados pelo povo nas eleições de outubro.

Pois eu como parte do povo, não vou esperar. O julgo já e aqui.

Ele é culpado.
  • Culpado por prometer e não cumprir.
  • Por mentir tanto que até acredita nas mentiras que diz.
  • Por fazer o povo humilde pensar que ele é um trabalhador quando na verdade há 20 anos não trabalha de verdade(alguém pensou em pedir para ver a Carteira de Trabalho dele e verificar quando foi a última anotação CLT nela?).
  • Por fingir que não sabe das maracutaias dos seus companheiros quando todos nós sabemos que ele sabe e deve até tê-las apoiado.
  • Por comprar o povo humilde com a esmola do Bolsa-Família dando falsas esperanças a esse povo.
  • Por incitar a luta de classes jogando os pobres e humildes contra a classe média dando a ela o rótulo de elite quando na realidade é esta classe média formada de trabalhadores de empresas privadas e públicas e dos micro, pequenos e médios empresários que carrega o Brasil nas costas e com os impostos e juros escorchantes que paga sustenta os Bolsa-Família da vida de um lado e os grandes banqueiros de outro.

Desta forma, sua pena será não ter o meu voto, dos meus familiares, dos meus amigos e de todos aqueles a quem eu conseguir demonstrar sua culpa.