Translator

sábado, julho 05, 2008

Um pouco mais sobre economia (parte 2)

1-Economia não é ciência complicada, não. Quem a complica são justamente os economistas incompetentes que assolam o Brasil. De todos os gêneros e ideologias . A partir do momento em 1994, que um sociólogo(!!!) conseguiu botar ordem no coreto quando um bando de economistas por anos, só conseguiu bagunçar a economia brasileira, perdi a confiança nesta classe.

2-Meteorologia é uma ciência inexata pois que é sujeita às leis da natureza e a natureza é improvável, aleatória. O homem não comanda a natureza. É por ela comandado. Economia é uma ciência que não depende da natureza e sim do comportamento humano. E o comportamento humano pode ser previsível e dirigido.(pra quem não entendeu este item, ele se destina a um comentarista em especial)

3-Eu, por acaso, tenho formação mais que suficiente para falar o que falo.Não sou economista mas complementei minha formação com alguns princípios econômicos que aliados ao pragmatismo e à lógica cartesiana típica do engenheiro e cientista me permitem analisar com uma certa objetividade os fatos políticos e econômicos brasileiros.

4-Vamos às origens:

Economia vem do latim "oeconomia" que quer dizer ordem harmonica ("ordo harmonica").A palavra latina deriva do grego "oikos nomos" que quer dizer em tradução livre, administração da casa.

Se você for ao "pai dos burros" verá que economia é a arte de bem administrar uma casa ou um estabelecimento público.

Assim, bem administrar a sua casa é saber se prevenir contra os altos e baixos que naturalmente ocorrem no dia-a-dia de sua vida. E para bem administrar a sua casa, você precisa se planejar.

Agora, vamos à vida real. Desde o início do ano passado, o Real começou a se fortalecer. Por um lado isso foi bom pois significava que estavam entrando divisas em moeda forte(dólar e euros) mais do que saindo. Com isso,o país pôde criar reservas (ou poupança pública,se preferir) em moedas conversíveis para os eventuais dias magros e criar maior credibilidade. Ainda neste lado, as importações ficaram mais baratas, o que ajudou a conter a inflação.

Pelo outro lado, as exportações ficaram mais caras, reduzindo como se reduziu, a competitividade do país no mercado externo afetando o balanço de pagamentos que vinha sendo fortemente favorável ao país. A crise americana que afinal não foi tão grande assim, aliada ao enfraquecimento do dólar fez com que este país reduzisse suas importações e passasse a incentivar através de maiores subsídios e redução de impostos, a sua produção interna.O mesmo fez a União Européia.

Aliado a isto, a China continuou a ser como já era uma grande consumidora de commodities.

Consequentemente, os preços das "commodities" que são o forte da exportação brasileira subiram.Os nossos produtores de commodities que vinham perdendo em volume passaram a ganhar em preço e é este preço maior que está sendo praticado aqui dentro do país, provocando a tal inflação de alimentos. A solução óbvia para prevenir esta inflação seria adotar preventivamente uma política de maiores incentivos à produção através de maiores financiamentos e/ou desonerações fiscais somada a uma política de regulação de estoques.

Mas por falta de investimentos em infra-estrutura de distribuição , logística e armazenamento,isso não foi feito.

Por que não foi feito? Porque os gastos públicos estavam e ainda estão dirigidos em nome das políticas sociais de uma forma desordenada, mal gerida e mal distribuída e voltadas para a manutenção de alianças políticas espúrias e à manutenção do poder a qualquer custo.

Vou dar um número: São 11,1 milhões de famílias assistidas pelo Bolsa-Família. A média por família é de R$ 60,00.Consegui estes dados em sites alternativos porque os sites oficiais não são transparentes. Isto dá um gasto anual de R$ 8 bilhões de reais que chega no bolso das famílias. No entanto, o desembolso anual no orçamento é de R$ 12 bilhões!!! Para onde vão parar os R$ 4 bilhões da diferença? Na estrutura montada para distribuir a grana. Que programa é este que precisa gastar 33% das verbas só para administrar o Bolsa-Família?É puro aparelhamento.

Isto tudo tem um nome, meus caros. Falta de planejamento e seriedade. E por que falta de planejamento? Porque este governo não tem pessoal nas hostes petistas com capacitação adequada para fazer um planejamento bem feito. Aliás, não tem pessoal competente para nada.

O nosso ministro do Planejamento é um ex-caixa de banco. Me desculpem os caixas de banco mas quem nasceu para ser só caixa de banco não pode ter sucesso como Ministro do Planejamento do Brasil, a menos que seja militante do PT.

O nosso Ministro da Fazenda é mais um economista acadêmico vermelhóide que é enrustidamente favorável ao desenvolvimento acelerado às custas da inflação. Leiam na Internet as teses dele sobre economia. Eu li e fiquei arrepiado. O Suplicy, apesar do aparente autismo que o assola, entende mais de economia que ele.

Mas o PT não tinha ninguém melhor que o Manteiga, não queria Suplicy com medo dele surtar e virar tucano, Mercadante é aloprado, então escolheram o Manteiga, mesmo porque não tinham nenhum "créme brullé" ou "maionnaise" petista. Manteiga é soldado a favor do Partido. Se mandarem ele enfiar a cara num balde de merda, ele vai lá e ainda acha bom, que nem hiena que come merda e ri.

E por que falta de seriedade? Por justamente os detentores do poder que não têm DNA democrático, não aceitarem o jogo democrático. A ordem é manter o castelo do poder a qualquer custo, mesmo que isto signifique rifar o país no futuro de preferência, com autoritarismo. A ordem é empregar no aparelho estatal o maior número de companheiros que for possível para controlar o processo, mesmo que sejam um bando de incompetentes que só sabem seguir ordens.

Os petistas chegaram ao poder em cima de uma espiral inflacionária localizada no segundo semestre de 2002, causada por eles mesmos, que botaram lenha política na fogueira, aproveitando uma crise internacional, provocando a fuga de capitais e se não se cuidarem, vão ser defenestrados pela mesma razão. O pior cego é aquele que não quer ver. E eles estão cegos pelo sucesso momentâneo.

7 comentários:

CAntonio disse...

Meu Caro Tunico,


Vá lá eu concordo com a aula. Aprendi que os governos não são hábeis em criar prosperidade; no máximo acabam atrapalhando a economia. E assim tem sido.

Os "nossos" economistas do governo se prendem a muitos cálculos, sempre pensando no quanto pode ser desviado para outras finalidades e, querendo ou não, acabam causando essas distorções como a que acontece com o bolsa familia.

Falta ousadia, mas principlamente a honestidade de propósitos; e isso não veremos tão cedo, pelo menos não na gestão atual do Criador Supremo.


E por falar em acidez (embora não tenha sido citada), o Estou de Olho e seu didáticoironicosagaz redator foram agraciados como Blog Ácido.

Não reclame, não esperneie, não me xingue e passe por lá e aceite o prêmio.

GrandAbraço

Fábio Mayer disse...

Um amigo meu, que é economista, fica estarrecido ao constatar o festival de indicadores econômicos mostrados nos jornais da TV e nos cadernos de economia da imprensa escrita.

Diz que, que no Brasil há um monte de comentaristas de finanças, mas quase nenhum de economia.

E por quê?

Porque, diz ele, se no Brasil as finanças vão bem (porque são superavitárias, obtém-se superávit primário, superávit da balançacomercial, superávit da conta dólar e as bolsas têm apresentado ganhos), a economia vai mal.

E a economia, segundo ele, vai mal,porque faltam portos, estradas, aeroportos, mão de obra qualificada (educação), etyc...

Enfim, economia é uma coisa, é conceito material, finanças é outra...

Eu concluo que o problema do Brasil não ´pe falta de dinheiro para absolutamente nada, é falta, sim, de critérios em gastá-lo, coisa que nossa classe política tem visceral incapacidade em ter.

tunico disse...

CA, obrigado pela láurea. Eu ando meio ácido mesmo. De tanto ver crescerem as nulidades (Ruy Barbosa falou isso, não é?) e assistir mais do mesmo. Aliado a isto, uma gripe que teima em não ir embora.A "aulinha" foi necessária pois aqui se comparou economia a meteorologia e não é bem assim.

Fábio, concordo em gênero, número e grau com você. As finanças vão bem mas a economia vai mal.

MARCO ANTONIO disse...

CARO TUNICO,

Bom texto. Didático.

O que eles sabem planejar é a permanência no poder. Se você tiver acesso aos "planos", vai ver que já está tudo certinho, passo a passo, em mínimos detalhes. Pra eles, o importante é o "pudê". O resto, é acessório.

Um abraço.

posturaativa disse...

Tunico, não sou especialista na aérea, muito pelo contrário, mas sempre troco idéias com amigos, e vejo que tudo não passa de meros anúncios e que as contas nunca batem. De concreto só o aumento da arrecadação.

ZEPOVO disse...

Seu texto está muito bom. E até concordamos em vários pontos.Eu diria que vc está numa boa fase. Ou melhor, está em duas fases...

Lá no meu blog, além de uma aula enumerando algumas vantagens no uso da tensão 220V, vc me provocou, como de costume. O meu 2º grau foi feito em Escola Técnica Federal, trabalhei muitos anos como técnico e conheço bem o assunto. Quando usei o termo "ligado em 220V" usei da forma popular, é o mesmo que dizer que o cara está "com a corda toda".

Quando disse:
"medidas corretivas contra a inflação com antecedência"
fui muito claro, apesar da frase imperfeita...

Mas já que me provocou, vc disse lá:

"Mas eu, tenho um transformador pessoal que me permite pensar em 12V, corrente contínua. Assim, as idéias fluem melhor e sem alternações."

E nós dois sabemos que transformadores não funcionam em DC. Acho que vc quiz dizer que tem um conversor.

um abraço.

Ronald disse...

Onde politicos poem o dedo, meu caro, não sai nada que presta. Semana passada eu conversava com um politico daqui e você precisa ver a expressão dele quando afirmei que, cargo de secretário de saúde, por exemplo, deveria ser dado à um administrador nato e com experiência na área pois, lidar com pessoas não é pra qualquer um não.

Enquanto isso, INPC, IPC-10, IPC-do pobre, IPC-do Lula e entenda o caso...

Abraços