Translator

domingo, outubro 05, 2008

Sobre a agiotagem perversa do sistema bancário brasileiro

Vou mudar um pouco o foco, deixar de bater na petralhada por uns tempos (embora sempre mereçam) e bater no seu maior aliado que é o sistema financeiro, em especial os bancos que nunca neste país ganharam tanto em cima do povo. Com o aval covarde do Lula.
Você tem 100 reais e deposita no banco.
Por que? O banco lhe assegura segurança, ninguém vai lhe roubar esse rico dinheirinho ganho com muito suor. Lhe assegura que se você precisar de mais dinheiro do que estes 100 reais, ele lhe emprestará a juros baixinhos. O banco vai lhe dar um talão de cheques para você sacar seu dinheiro a hora que quiser e um cartão magnético sofisticado para usar nos terminais espalhados pelo país inteiro. Além disso você toda vez que quiser, poderá ir à agência e tomar um cafezinho de graça e ser atenciosamente recepcionado pelo gerente de relacionamento.

Só que você pensou quanto isto lhe custa?

Vamos lá:
As tarifas perversas.

Todo mês o banco lhe cobrará uma tarifa pelo serviço que lhe oferecem num valor fixo, independente do valor depositado. A menor tarifa do mercado é de 10 reais por mês. 10% dos 100 reais depositados. Ou seja, em 10 meses, os seus 100 reais depositados se esvaem no ar se você não fizer nada, nem o banco.Mesmo porque você não vai na agência tomar cafezinho todo dia. E quando vai, ainda tem que passar pelo vexame de ser revistado porque o sistema de segurança acusou que o seu molho de chaves e seu celular são potenciais ameaças.


Mas, estes 100 reais serão emprestados a outros que precisam de crédito. As taxas variam mas a menor do mercado é de 4% ao mês. Ou seja: a cada 100 reais do seu dinheiro , o banco ganha 4 reais todo mês, em juros compostos em cascata, emprestando a terceiros. Você não ganha nada. Só paga as tarifas.


A conta:

Os seus 100 reais rendem ao banco em um ano, 60 reais (juros compostos) se ele emprestar a terceiros.Destes 60 reais, o banco fica com 30 que é o que eles dizem que lhes custa manter a estrutura e ter lucro (dados FEBRABAN), manter pessoal, agência e até o cafezinho.

Ganha 30% em cima dos seus 100 reais e não lhe dá nada em troca a não ser um talão de cheques e um cartão de plástico além do cafezinho, é claro.

Pelos mesmos 100 reais, você paga 120 reais de tarifas e ainda fica devendo ao banco 20. Assim tem que depositar mais 20 se não quiser ter seu nome indicado no SERASA.

Aí, para você não ficar com o nome sujo mesmo que não tenha nada feito para isso pois somente depositou seu rico dinheirinho numa instituição “confiável”, bota mais 20 paus na conta.

Resultado, o banco ganhou mais 20 reais ou seja, seu ganho real foi de 50 reais. 30 do tomador do empréstimo, 20 de você. 50% sobre seu capital.

Resumo:

Você tinha 100 reais.Não fez mais nada a não ser depositar a grana no banco. Teve que botar mais 20 para não ter seu nome sujo. Perdeu então 20%. O banco ganhou 70% em cima de você.

Balanço final: O banco ganhou 70% em cima da sua confiança e você nada ganhou, só perdeu.

Vale a pena? Pense nisso seriamente.

Tem mais depois.

4 comentários:

DO disse...

Gostei muito daqui e voltarei mais vezes.

Abraços e boa semana!

ZEPOVO disse...

O pior é que vc simplesmente não pode mais viver sem banco. Não é mais opção. Tem loja que quando vc diz que vai pagar em dinheiro eles te olham como maluco.
Todos empressários do nano ao mega PRECISAM ter as "maquinetas" de banco ou está MORTO! E os bancos além de na prática ficarem sócios de TODOS comércios do MUNDO, ainda cobram por este previlégio, pois cobram o aluguel das tais "maquinetas" + comissão pelas vendas!

Madre Anunciação disse...

Ok, as informações estão corretas, a análise da perversidade bancária é esta mesma mas está faltando o essencial neste texto: o que você sugere para que nós, correntistas empalados pela infâmia bancária, deixemos de ser espoliados desta maneira? Se você tem disposição suficiente para "bater", precisa ter a mesma disposição para mostrar a seus leitores o pós-"bater". Aguardo texto com suas idéias sobre iniciativas possíveis para nos livrar do cerco bancário. Beijin, saúde e paz.

posturaativa disse...

Podem ter ganho e muito, hoje com a crise que aí está não sei como ficará, principalmente quando um correntista necessitar de empréstimo. Uma pessoa foi pedir um empréstimo de 1.200 reais em um dos maiores bancos nacionais, resposta do gerente: dificilmente esse empréstimo será dado, o banco já não possui liquidez e a liberação de dinheiro está cada vez mais difícil. Outra situação corriqueira nos bancos: quando tiver que sacar em espécie, geralmente estão pedindo de 24 a 48 hs para o saque.