Translator

domingo, abril 12, 2009

Brasil-um país de todos-Parte 1/II

Muito se criticou as privatizações das estradas brasileiras. Mas a realidade mostra um fato indiscutível. A qualidade e segurança aumentou exponencialmente. Só quem como eu utiliza a malha rodoviária brasileira com frequência sabe disso. Devo fazer semana que vem outra viagem longa utilizando em parte rodovias privatizadas e rodovias administradas pelo DNIT. Farei um registro fotográfico atualizado para mostrar aos meus 3 leitores a diferença entre as boas e as más administrações do dinheiro dos usuários. Por enquanto, fiquem com mais contrastes.










3 comentários:

Fábio Mayer disse...

As estradas privatizadas e pedagiadas se pagam em segurança e conforto. Minha crítica é ao preço abusivo aqui no Paraná, onde trechos de 100 km de via simples chegam a custar quase 8 reais, enquanto na BR-101 em direção à SC, custa 1,10.

Tá certo que a privatização da BR-101 foi feita em outro momento, sem necessidades de grandes obras, mas que o preço de outros lugares é abusivo, é. Só o Judiciário é que não compreende assim...

De qualquer modo, esta é uma atividade que é melhor administrada pela iniciativa privada.

Marcos Pontes disse...

É a velha história: pagamos impostos para a educação, mas temos que colocar nossos filhos em escolas particulares se quisermos qualidade; pagamos impostos para a saúde, mas temos que ter plano privado, pagamos impostos para transporte urbano, mas temos que ter nosso carro ou enfrentar o inferno do transporte público; pagamos impostos para a manutenção das estradas, mas temos que viajar a 60 por hora com medo de buraco-surpresa ou coisa pior.

Espaço Dois - Miscelânea disse...

Eu prefiro viajar em uma estrada administrada por pessoas capazes e pagar pedágio, do que correr o risco de um acidente nessas estradas mal cuidadas pelo governo. É um horror e a diferença é gritante.
www.espacodois.blogspot.com